Mensagem do Presidente

 

Mensagem do Presidente

É com natural gosto, mas com sentido de responsabilidade, que os Açores assumem a presidência da Conferência das Regiões Ultraperiféricas da União Europeia, neste tempo de enormes desafios para a Europa e também para o mundo, reconhecendo as enormes dificuldades que todos temos de enfrentar.

O ano de 2020 foi um enorme desafio para a União Europeia. Os efeitos do ainda inacabado Brexit e a pandemia que atingiu o planeta são, porventura, as maiores evidências do ano que passou. Mas outros desafios são igualmente fundamentais para comunidades das nossas regiões, e é com o objetivo de obter respostas concretas da União Europeia aos nossos problemas comuns que apresentamos um programa transversal nos sectores de intervenção da União, de acordo com as suas competências.

Importa, mais do que nunca, fazer face às fragilidades acrescidas que caracterizam as nossas regiões, na economia, na saúde, no emprego, na educação e na cultura.

O programa de ação dos Açores para a presidência da Conferência terá dois registos nucleares.

O primeiro pretende salvaguardar o adquirido comunitário destinados às Regiões Ultraperiféricas da União Europeia, enquanto o segundo pretende desenhar uma nova estratégia europeia para as mesmas.

Uma estratégia integral, capaz de se abrir aos vários domínios da vida contemporânea, capaz de assegurar a convergência das nossas regiões com a União Europeia e, por essa via, o cumprimento da igual dignidade e da cidadania europeia plena das nossas comunidades.

Os Presidentes das Regiões Ultraperiféricas estão cientes da evolução que o processo de construção europeia tem vivido nos últimos anos. E, também por isso, procuramos acompanhar os desafios, alguns tortuosos, que a Europa enfrenta.

A Presidência dos Açores, ciente que a pandemia Covid-19 constituí um desafio sem precedentes que comportará, ao longo dos próximos tempos, uma adaptação das formas de fazer e trabalhar, desenvolverá o seu programa em cenários distintos. Sendo que organizaremos dois encontros entre os Presidentes das Regiões Ultraperiféricas. O primeiro já em maio, precedendo o Conselho informal de Assuntos Gerais dedicado à coesão, e que decorrerá por via telemática. O segundo, esperamos que já possa decorrer presencialmente em novembro e, aí, teremos o gosto de receber nos Açores os nossos congéneres para a Conferência anual que fará o balanço do nosso trabalho em 2021 e marcará a passagem de testemunho da Presidência.

São e serão mais as restrições do que as vantagens. Ninguém, muito menos nós, espera, neste tempo, tempo de facilidades.

O que nos espera é trabalho!

Os tempos são difíceis. Temos de ser ainda mais fortes.

 

José Manuel Bolieiro

Presidente do Governo Regional dos Açores